Lipocavitação vs Lipoaspiração

Lipocavitação ou Lipoaspiração Tradicional – qual a melhor escolha?

Na escolha da melhor técnica para remover a gordura acumulada no corpo é importante conhecer todas as comparações possíveis entre a lipoaspiração não invasiva e a tradicional lipoaspiração.

Para se conseguir comparar é preciso ter uma noção sobre como se processa cada uma destas técnicas.

Lipocavitação ou Lipoaspiração Tradicional - qual a melhor escolha?

Lipocavitação vs Lipoaspiração Tradicional

A lipoaspiração tradicional, é uma cirurgia estética, que implica uma serie de exames anteriores, que necessita obrigatoriamente de anestesia e internamento para se realizar. No tecido subcutâneo do paciente, é introduzido um tubo metálico, que é ligado a uma máquina de vácuo que suga a gordura localizada. O tubo é deslocado no interior da zona onde se verifica a acumulação de gordura e esta é absorvida. A quantidade de gordura que é possível retirar com esta cirurgia, vai depender da quantidade de gordura acumulada em exagero nas zonas de depósito. Na aspiração de gordura é necessário algum cuidado para que o sangue não seja também aspirado, causando problemas ao paciente. O pós-operatório desta intervenção implica alguma dor, inchado e escoriação das partes do corpo tratadas, levando cerca de um mês até começar a evidenciar resultados. Este é um tratamento que pode ser feito por todas as pessoas que apresentem um quadro clinico normal e dentro do seu índice de massa corporal. No sentido de diminuir os riscos e maximizar os efeitos da lipoaspiração, surgiram no mercado da estética uma serie de técnicas de lipoaspiração, como por exemplo a lipoescultura. No entanto, todas elas são invasivas e com um processo de recuperação semelhante.[widgets_on_pages id=”Widgets on Pages #2"]

A lipocavitação ou lipoaspiração não invasiva é um tratamento que não implica cirurgia e que não opera através da aspiração de gordura do interior de determinadas partes do corpo, não acarretando por isso outras complicações inerentes a uma operação, ainda que estética. Este tratamento utiliza ondas de ultra – som para, de forma seletiva, quebrar apenas as células de gordura, sem que isso atinga ou interfira com as estruturas chegadas. O equipamento tem um ultra – som de frequência muito alta que age diretamente na gordura localizada, rompendo as membranas das células adiposas. O rompimento das células faz com que a gordura se junto aos sistema linfático e seja eliminado pela urina. Como tal é um procedimento simples, repetido em algumas sessões, indolor e sem deixar marcas. Implica alguma atenção alimentar, nomeadamente, no que concerne a ingestão de água antes e após cada sessão, mas nada que seja comparado às implicações de um procedimento cirúrgico. Este tratamento não se aplica igualmente a pessoas com problemas infecto-contagiosos, doenças imunitárias, hemofilia, epilepsia, asma, lúpus, esclerose múltipla, tiroide e cancro ou com problemas de pele em fase aguda.

Os procedimentos aqui falados, têm aspetos comum que pudemos referir, sendo o primeiro deles o facto de terem como objetivo a remoção de gorduras acumuladas no corpo, trabalhando assim no sentido de remodelar a imagem física. Tanto a lipoaspiração tradicional como a lipoaspiração não invasiva (cavitação) são indicados para pessoas que tenham gordura acumulada mas que não sofram de obesidade, pois o seu objetivo é remover gordura e não propriamente emagrecer.

Uma outra característica comum, está relacionada com a necessidade de o paciente ter uma alimentação equilibrada e rotinas de atividade física, pois de outro modo, os resultados obtidos não serão prolongados no tempo.[w[widgets_on_pages id=”Widgets on Pages #1"]p>

Lipocavitação ou Lipoaspiração Tradicional - qual a melhor escolha?

Escolha o tratamento mais adequado!

Pouco mais há a referir como aspetos semelhantes entre lipoaspiração tradicional e a lipocavitação.

As diferenças acabam por ser bem mais significativas que os aspetos em comum. A lipoaspiração tradicional implica um período de internamento e uma cirurgia com anestesia, o que por si só é visto como uma desvantagem relativa a cavitação. Uma vez que esta, se revela não invasiva, sem necessidade de paragem nas atividades diárias e sem os riscos inerentes a uma operação. Não deixando cicatrizes nem necessitando de um período de recuperação.

Apesar da lipoaspiração se realizar, por norma, numa só intervenção e a lipocavitação implicar diversas seções o facto de estas serem de curta duração e indolores é mais uma vantagem em relação à lipoaspiração tradicional. Esta implica uma recuperação dolorosa, com edemas e marcas físicas e uma intervenção cirúrgica de horas, já para não falar do impedimento de realizar a atividade normal. O procedimento estético implícito a uma lipoaspiração (consultas médicas, exames) faz com que este tratamento se torne mais demorado, na obtenção dos resultados face a cavitação.

Pelos riscos implícitos numa lipoaspiração tradicional esta deve ser opção apenas quando as técnicas de lipoaspiração não invasiva, não produzirem os resultados esperados. Que por sua vez é a técnica ideal quando os cuidados alimentares e o exercício físico não conseguem trazer a resposta que procura.

Comentários recentes...